quinta-feira, 19 de junho de 2008

Arquiteto de mim mesmo:
ESCREVER - Dry Neres





Escrever é ter o pedaço de cada um dentro de si; pedaço que a gente desconhece, mas que aparece sem nenhuma pretensão. É o nosso inconsciente coletivo, velho Jung! É ir até a China pra pedir uns conselhos para o Buda, fazer escala em Cuba pra falar com El Che, visitar as ruínas gregas, entrar dentro de você.

Ser arquiteto de palavras não exige muito rebuscamento parnaso; exige sim um derramamento de emoções. Você precisa se mostrar, logo precisa ser corajoso. Não precisa ter muita ordem, nem sentido. Normalmente cada pessoa vai interpretar de forma que venha à calhar com os teus próprios "sentires". E você precisa se encantar com isso! Escolher a mobília é algo fantástico. Normalmente numa construção procuramos bem rapidamente o terreno, mas eu gosto dos móveis. Não precisa ter casa. Pode morar no boteco ou na esquina. O importante é construir!

Criação! Obra tua! Os olhos brilham depois de dias ou horas em que teu Eu conversou com você. Os dedos, parece que nunca se saciam. Parece que se pensa com eles, não mais com o cérebro. Eles nos indicam o norte a ser seguido. Eles preferem a contramão. Desorganização. São aflitos, angustiantes, molhados, velozes. Os calos são visíveis. Porque se carrega uma herança milenar nessas mãos tuas, mesmo teu instrumento sendo tão transparente.

Riqueza inigualável! Até hoje em toda a minha vida, não conheço nada mais fantástico do que dar vida as palavras, devolver a alegria de viver a quem perdeu, pela eficiência em desenhar uma imagem inatingível, amplitude dos sentimentos. Um imenso sorriso me vem quando vejo muitos outros amigos nossos, que não deixam isso morrer. Caminham, constroem, desconstroem, sofrem. Um poeta é o ser que mais tem angústias nesse planeta. Então me diz quem não é poeta? Faz-se necessário tocar a dor, que sim, é palpável e transformá-la em um desenho escrito.

Esse fascínio me move. Traduzir o intraduzível é o erro mais delicioso que cometemos. Sabemos que não tem como explicar, mas... Conseguir enxergar num aparente chapéu, um elefante na barriga de uma jibóia é realmente fascinante. Foi por ali, com Exupéry que eu aprendi a ver entre folhas, entrelinhas, "entregentes". Eu aprendi a me deixar encantar, tocar as palavras, as palavras que me definem, me traduzem, nos aproxima.

Vagueiam desconcertantes, à espera que tua sensibilidade as toque. As palavras! Gosto de forma singular de como elas chegam. E aí me vem novamente, Exupéry. Você precisa cativar o espaço ao teu redor, deixar ser cativado. Marcar um encontro diário para que vocês se aproximem. Ler as pessoas ao teu redor. Ver numa plantação de trigo, cabelos de príncipe. Ver em você um ser em potencial que busca respostas que nunca chegarão. Respostas que você não precisa encontrar. Se ver na roupagem de um eterno viajante aprendiz.

Esperam o momento correto de serem reveladas... As tuas faces, as chagas da sociedade. Precisam ser mostradas! A alegria que se encontra no canto dos pássaros, nas formigas ruivas da Lygia Fagundes Teles, na mesa que voa do Veríssimo, nas janelas mágicas da Cecília Meireles. Precisam ser mostradas! Teu sorriso insano num velório, tua dança sem compasso num casamento, tuas rugas que a maquiagem esconde, teus cabelos despenteados, a comida que cai da tua boca. Precisam ser mostrados!

Respeitosamente, dedico este dia que ainda não inventaram no calendário pra homenagear ninguém, este dia que precede a chegada de mais um inverno, este dia que nunca mais volta, neste dia que você pode começar a ver tudo de outra forma. Hoje é o dia pessoal do "ESCREVER", e não quero que ele termine nunca. Vou me demorar nesse dia, em que o desejo que se faz gritante e constante e presente é que o fascínio encontre os pensamentos dos homens frios ou quentes, das almas carentes ou influentes. Que o vento toque nossa pele, e não seja simplesmente vento. Porque os olhos humanos podem mais, nossa alma pede mais. Teletransporte urgente! Precisamos...

16 comentários:

Poeta Mauro Rocha disse...

Preciso escrever,rsssr.Muito bom seu texto.Parabéns.

Um abraço!!

MAURO ROCHA

Amannfredini disse...

Antes de qualquer declaração sobre o seu comentário... MEUS PARABÉNS PELO TEXTO!
Escrever é a coisa mais deliciosa do mundo! Esses tempos postei vários textos no mesmo dia... É um vício!
Nada mais empolgante do que isso!
E você traduz com perfeição o quanto é... intraduzível essa sensação!
Não tenho cabelo rosa... Gostaria de pintar o meu de azul... hehe... Mas já fiz tantas coisas na juba que tenho medo de mais química... hehe
Muitas das coisas que eu escrevo são inspiradas no que eu vejo e no que os outros pensam, genericamente falando...
Mas talvez um dia eu ainda escreva o mesmo texto, só mudando a personagem pra menina do cabelo azul...
Quem sabe até lá eu não crie a coragem que preciso para ser protagonista? hehe
Beijão, ótimo dia pra você!

Amannfredini disse...

Conhecer meu mundo é mto simples... hehe
É só continuar passeando pelos labirintos...
Em alguns instantes teremos post novo... Agora com a responsa de agradar mais uma leitora... hehe
Beijos

Eu caçador de mim disse...

Belo texto!!!vc tá cada vez melhor!!! Obrigada!

Amannfredini disse...

Se quiser conhecer os outros, olhe para dentro de si...
Se quiser conhecer a si mesmo, olhe para os outros...

Amannfredini disse...

Nossa alma pede mais...
Mal atingimos o auto-conhecimento e bucamos saber do mundo dos outros...
Nunca chegaremos a 100% em nenhum deles... Mas o apoio de um no outro gera uma expansão muito maior que um mero resultado matemático!

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Hj não estou podendo fazer muitos comentários porque descobriram o meu mal,algo inesperado, meio sério e vou ser operada. Mas deixei um presente para vcs, uma resenha.
Apareçam por lá:
wwwrenatacordeiro.blogspot.com/
não há ponto depois de www
Um abraço,
Renata
PS: Estou mandando a mesma mensagema todos por motivos óbvios.

Veneno Antimonotonia disse...

Com toda certeza ^^

Paradoxos disse...

ADOREI!!!!!!!!
um ACRÓSTICO perfeito!!!!


E
S
C
R
E
V
E
R

ADOREI mesmo!! quanta inspiração!!

beijo :-)

teu paradoxos

Camila disse...

"Um poeta é o ser que mais tem angústias nesse planeta. Então me diz quem não é poeta? Faz-se necessário tocar a dor, que sim, é palpável e transformá-la em um desenho escrito."

Maravilhoso texto, me deixou fascinada!

E o acróstico então! Super-criativo!!!


Obrigada pela visita no meu humilde blog!

Invada mais vezes! ;)


Beijo!

Amannfredini disse...

Caraca....
Agora vc me deixou com aquela putaaa invejaaaaaaaaaa ... hehehe
Adoraria ter passado por essa experiência... hehee
Mas vamos ver o que é que a vida guarda rpa mim
=)
Beijãoooo

Filósofo disse...

Tá marcado em meu calendário, que esse dia tenha umas 30 horas...
Lindo, poético inspirador.
Fiquei uns dias sem escrever pois estava muito contemplativo...
Mas agora meus pés tocaram novamente o chão para que meus pensamentos posssam voar...
Escrevi uma "coisinha", passa lá..
Um abraço.

:: Daniel :: disse...

Eu escrevo para fazer da palavra meu divã. Minhas palavras são minha terapia. Por isso, mais que ler, preciso antes perceber o que pulula aqui dentro e colocar lá na velha casa.

Volte sempre que quiser! As portas estão abertas.

Abração!

Tintas linhas e manias disse...

Olá amiga,
obrigada pela vizita ao meu blog... tens um blog muito interessante e escreves muito bem...parabéns!
Beijinhos
Isabel

J. Araujo disse...

Juro! Eu, eu não sei por onde começar. Mas claro, tudo começa do começo né! Passar aqui e não dizer nada seria uma covardia da minha parte, e posso ser tudo menos "covarde'. Estou sem palavras pra elogiar seu lindo texto. Então preciso ir logo dizendo como você consegue tirar do fundo da alma palavras de encher o coração e trazer aos leitores grandes momentos d reflexão. Tenho muito mais a dizer, ´porém no momento as palavras certas me fogem. Então... parabéns.

bj pra vc.

Filhas da Pagu disse...

Muito bom seu texto! Visitarei mais vezes seu blog.
A imagem encontrei pelo google, te linkei, vc tem os créditos?
Obrigada,
karol