segunda-feira, 16 de junho de 2008

Codinome, amor! - Dry Neres




Todo mundo briga comigo quando eu tento ser racional. E todos me apontam quando não sou. Eu adoro criar mundos que não existem. Na verdade, tenho Doutorado nisso. Construo e desconstruo casas numa facilidade imensurável. Na verdade, não. Demoro um pouco. Deixo doer um pouco. Vou anestesiando. Sorrindo, pulando; disfarçando e me enganando. Isso é fantástico! Danço com a dor. Ela sempre me fez bem. Se eu pudesse fazer um último pedido, a mim mesma ou ao cara mais chato que eu conheço, o Tempo; pediria que... tudo acontecesse de novo, da mesma forma como foi. Com todos os erros, e imperfeições, desajeitamentos, e paixão minha. O rosto liso deu espaço a um mar; azul, vermelho, amarelo, verde, preto, branco, de todas as cores sem cor. Não reconheço muito bem essa face que sempre me acompanhou. Porque quanto mais eu digo pra ela: Silêncio! ... ela insiste em falar. E todo mundo pergunta. Ela não cansa e não se demora em responder. Ontem a noite, veja só, ela começou a se molhar. Eu não queria. Mas ela é teimosa! Hoje acordou gripada. Aliás, não acordou. Parece estar em um sono profundo, sono do não acreditar. Não acreditar que se perdeu o que nunca teve. Que paranóia estrutural! Ela precisa de um esteticista, eletricista, oftamologista, cardiologista, ista... ista... e ista. Ela não precisa de nada. Só queria uma gentileza. Ei, amigo... faz uma placa pra mim, escrito bem assim: "Fechado para balanço"!!

4 comentários:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Vejo um retrato meu nas suas palavras. Muito boa postagem. Mas não se desespere, pois daqui a pouco vc vai poder mandar tudo às favas, minha amiga.
Fiz um post em intenção de uma amiga. Passe lá e se achar que merece comentário, deixe-o. O mesmo é válido para Stardust.
wwwrenatacordeiro.blogspot.com/
não há ponto depois de www
Um abraço fraterno,
Renata

Veneno Antimonotonia disse...

(Eu que fiquei boquiaberta.)

Sim. é que a dor é melhor que o vazio.
Quando sentimos dor, sentimos algo, e isso é magnífico.
O vazio nos torna quaze mortos.

Parabéns, moça. Meus parabéns...

busillis disse...

Sim senhora....faz jus ao seu nome, fascínio e pensamento...aqui encontrei....:)
Abraço

Paradoxos disse...

Meu espelho este teu texto! Eu moro dentro dele por me rever em tuas palavras, sem dúvida! Partilho contigo esses sentires!

Beijao
Teu paradoxo