quarta-feira, 11 de junho de 2008

Destino - Dry Neres


Palavras insuficientes. Realmente não sei mensurar! Esse corpo tem sido um carro sem freio. De pé, de mão. O destino acabou preparando o cobertor. É tão difícil perceber? Todas as afinidades, confidências, palavras, silêncios. É tudo de mentira? Não, não pode ser. Pela primeira vez as respostas suprem à necessidade dos questionamentos, embora ainda pareça confuso. Mas é tão difícil de visualizar assim? Minha eternidade tem sido trocada por esses momentos. Únicos! Indimensionáveis. Entre um desajeitamento e outro, retomo a fala: sou sua. Sua Dry. Tudo que penso em fazer, penso em você ao meu lado. De um sorvete a uma volta ao mundo. Sentimentos doces, indescritíveis. O despertar de sensações! Insuficiência de fala... Minha fraqueza. Isso é intraduzível. Tentei desenhar, falar, escrever. Mas eu sinto! A dificuldade é de desprender o corpo do deserto e eu tenho as ferramentas. Estão todas aqui... O destino não está nos pregando uma peça. Foi tudo preparado por ele com muito cuidado. Eu quero essa face aí, bem aqui. Em mim. Uma só. Tá bem fácil decidir. Todo o tempo do mundo lhe é suficiente? Se não for, paro o relógio, mudo a definição de tempo, de espaço, te levo pro espaço... Só pra você saber: Que tudo que eu mais quero é você.

Um comentário:

Dayane Medeiros disse...

Nossa...vc tah muito apaixonada!!^^
Adorei o que escreveu.Não vo perguntar nem pra quem foi xD
Vc escreve muito bem ( deve estar cansada de ouvir isso né?).

Beijo
Até qualquer dia por aí...