sábado, 5 de julho de 2008

Julho, codinome Eu! - Dry Neres






É aqui que reflito mais. Consigo colocar no papel anseios meus. Coloco também, os meus desapontos. Funciona mais ou menos como um final de ano pra mim. Sim, porque daqui a alguns dias completo mais um inverno! É um mês lindo, incrível! É um mês sensível, sublime! Antes de terem me tirado da casa em que eu estive por nove meses, deixaram que eu respirasse toda a sensibilidade desse inverno quente. Pra alguns sem cor, pra mim de todas as cores. E que a quase vinte anos atrás, eu chorava pela primeira vez, sorria pela primeira vez. Abria meus olhos para um novo lar! Como o zodíaco fala um pouco de mim, regida pela lua, moro dentro de uma casa singular que eu mesma construí como bom caranguejo. O tempo frio dessa estação me ensinou a ver num quadro ou numa flor, além deles. Me ensinou que usar casacos nem sempre indicam ter frio. E que tirar a roupa nem sempre indica transpiração intensa.

Julho, sétimo mês do calendário gregoriano. Nomenclatura inspirada no grande Júlio César, neto da deusa Vênus. Julho... Férias, ficar na cama vendo filme e comendo pipoca. Tomar chá quente, enquanto observa no espelho a ponta do nariz gelada e vermelha. Julho, mês que eu conheci essa esfera ímpar, e resolvi me enclausurar no seio dessa terra.

Mística me fiz e me faço sempre que algo tenta acrescentar explicações acerca do que sou, do que estou. Eles falam que através do meu signo, câncer, essas são características perceptíveis em mim: "Este é o Elemento da emotividade e sentimento. Ele amolece a rigidez da Terra, controla e regula o poder do Fogo e dá sentimento à comunicação do Ar. Utilizado de forma controlada dá sensibilidade, intuição, empatia. Em excesso, origina sentimentalismo exagerado, pieguice, histeria emocional, descontrole e confusão. Uma maneira de conquistar o canceriano é pedindo sua ajuda.... para qualquer coisa. Eles se sentem muito bem quando podem aconselhar e dar colo às pessoas que se sentem inseguras e perdidas. Na realidade, ele acha que todos são assim, porque ele é sempre assim. Os cancerianos são muito sentimentais e saudosistas, românticos que eles só. Nunca mexa nas gavetas de um canceriano. Lá estão guardadas muitas lembranças em forma de pequenos objetos de que somente ele sabe o significado. São memórias que remetem ao passado. Marcados pela sensibilidade e sentimentalismo, os cancerianos sempre são emotivos, introvertidos e muito ligados à sua família".
Revelados estão aqui alguns segredos, sobre a minha existência. Mas o principal, não se toca, não se diz... O dia que alguém descobrir, posso ser arrancada facilmente como uma flor murcha, pois não terei mais graça alguma em estar, ficar. Julho, codinome Eu!

8 comentários:

Filósofo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Filósofo disse...

Em Julho, há quse vinte anos atrás, nasceu uma poesia.
Uma poesia nasce como uma criança:
Uma poesia deve ter vida, sentimento e respiração.
Uma criança nasce e abre os olhos(vida), chora(sentimento) e dorme(respiração).
Ela deve nascer como o sol; brilhante e quente. Trazer a luz e transpassar o calor. Assim deve ser a poesia.
E assim ela é.
Que ninguém ouse te descobrir, porque se essa flor for arrancada, muitas que estão ao lado dela, também morrerão.
Espero sempre regar-te flor!

busillis disse...

Felicidades e
Boa semana
Abraço

Veneno Antimonotonia disse...

A simplicidade dos grandes escritores e a profundidade dos grandes filósofos.

Admiro profundamente ^^

um abraço.

Poeta Mauro Rocha disse...

Codinome beija-flor.

UM ABRAÇO!!

MAURO ROCHA

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Julho, codinome eu, é lindo. Acordei bem e fiz uma resenha sobre um filme que está em cartaz em São paulo, mas cujo DVD importei porque não posso sair. O título em português é A Outra. É sobre o triângulo "amoroso" entre Henrique VIII, Ana Bolena e Maria Bolena,a irmã de Ana, cuja existência eu ignorava até ver o filme.
Apareça por aqui:
wwwrenatacordeiro.blogspot.com
não há ponto depois de www
Um beijo,
Renata

Poeta Mauro Rocha disse...

Obrigado, é complicado lidar com sentimentos, se não há tato pode ferir sem sentir.Obrigado mesmo!!

MAURO ROCHA

Poeta Mauro Rocha disse...

Mais uma vez obrigado, é por isso que gosto do fascínio de teu pensamento.

MAURO ROCHA