quarta-feira, 16 de julho de 2008

Fotografar:
Escrever é inquietar-se - Dry Neres






Eu escrevo porque amo. É visceral. Mais forte que eu... Sempre que faço esforço para prender as palavras que querem ecoar, sinto dor. Se eu não escrevo, eu não respiro; piro, piração! Escrever é fotografar o que a câmera não alcança. Escrever não cabe em mim, por isso eu jogo. Jogo fora tudo que vem à tona, à cabeça... Fotografar! Cravar os dedos no teclado ou a caneta no papel. Cravaram teu nome nos meus olhos... E ele me guia desde então!
As letras me enlouquecem, me seduzem, dançam pra mim, me apertam, me convidam... Eu sem forças, me rendo. Eu sinto cada extremidade do meu corpo tremer e tremo e temo... me assusta a velocidade com que os pensamentos se aglomeram. Eu tenho que colher tudo rapidamente com minha sacola furada. O que posso pego! O que a chuva derrama me molha. E isso me basta!
Eu quero ver seu corpo ser banhado por cada linha dessa, quero que beba as doces palavras que tive o cuidado de achocolatar com calda de morango pra você.

Meu Deus, não me prive nunca desse devanear... de amar meu amor, de escrever para não morrer, de saber que não sei nada... e por isso, escrevo!
Tudo o que minha câmera ocular capta, envia para "algum buraco" do meu cérebro, (que não sei dizer exatamente pra onde, porque ainda não fiz medicina)... Sim, envia pra lá e daí começa a dança... um espetáculo, uma ópera dançante, bailarinos que fazem caretas, que arrancam suas roupas e me mostram seus órgãos!!!
Eu só escrevo, porque inquieta sou e estou. Eu escrevo para tocar você por dentro. Pra te beijar de surpresa e... "dizer o que você já sabe, mas que seria desperdício não repetir"!
Quando deixarem de ouvir minhas letras cravadas no papel...: Se assustem, ou façam festa! Vou ter morrido nesse dia, porque o sangue que me alimenta terá deixado de correr e minha pele terá secado, como seca é a boca dos que preferem calar, quando tudo em volta pede para se ouvir o grito!


Sim, eu escrevo porque amo... É visceral! VOCÊ, as PALAVRAS, EU... Visceravelmente fotografadas.

Eis que pari mais um filho!!


... e inquieta "fotografescrevi" tudo!

6 comentários:

Anderson Meireles disse...

Dizem que uma imagem vale mais que mil palavras...
Entre mil imagens, prefiro nem que seja, uma palavra de Dry Neres!
Um abraço!

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Dry:
Quando dá vontade de escrever, tem quee screver mesmo. Vc nunca acordou no meio da noite paraes crver. Nunca teve aquela vontade dentro do ônibus. Falo isso porque quando escrevia muito, costumava acordar à noite, com o soneto pronto e tinha que pegar qualquer papel e algo que escrevesse e transcrevê-lo. E quando eu tinha a sua idade, não havia computador. O Mauro Rocha me perguntou por que não faço um blog só de poemas. Não dá, devo ter cerca de 9 000 em uns cinqüenta cadernos universitários guardados no baú. Que lá fiquem se ficaram até agora. Mas continue, vc escreve muito bem.
E não se esqueça de ir ao meu Blog comemorar comigo os meus 38 quilos atingidos ontem. Fiz um post bem bonito. Acho que vc sabe o caminho, não.
Mil beijos e nunca deixe de escrever, não faça como eu.

Paradoxos disse...

"Eu escrevo para tocar você por dentro"

ja te encontrei minha querida amiga e acredita que me tocaste por dentro de mim com este Nóbel texto fotografado como eu gosto de ler as imagens sentidas por ti!!

amei-te em palavras, teu PDX
:-)

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Nossa Dry!
Você falou das coisas que para mim são sagradas: palavra e fotografia (só faltou história para completar minha trilogia).
Amei cada linha!
beijo e luz

Poeta Mauro Rocha disse...

Eu escrevo porque amo ou amo porque escrevo? No fim de tudo a vida é fotografada em imagens de saudades ou momentos de felicidade, belo texto!!

Percursor disse...

" Eu sinto cada extremidade do meu corpo tremer e tremo e temo..."

tão humano, gosto mesmo do seu modo de escrever tão visceral