segunda-feira, 20 de outubro de 2008

O que entendem por Amor
Dry Neres




O que entendem por Amor, meus caros?
Seria vontade de abraçar o mundo?
Seria um abraço com uma arma apontada para os punhos, cabeças?
Amar é invadir todo o Eu do outro?
Ou apenas, invadir residências?
Demonstrar amor talvez fosse um seqüestro ao coração.
Demonstrar amor talvez fosse seqüestro da alma e corpo, com morte no final.
Seria Amor ou Doença?
Ninguém tem as chaves do que chamamos hoje de Eu... Ninguém pode querer encarcerar sentimentos no coração de Outrem. A doença foi diagnosticada. A doença se chama Posse. Esta já soube fazer mal a milhares e milhares desde a existência do primeiro Ser. Esta se encontra em muitos lares, aqui, acolá... dentro dos flashes dos jornais ou não. Dentro dos fios telefônicos e das emissoras ou somente dentro dos lares humildes dos que não conhecem luz, nem televisão.
O amor é maior. O amor é mais alto. Não posso chamar de amor, algo que faz mal, algo que alimenta tanto que causa indigestão. Tenho medo, tenho medo sobre o que entendem por Ele... por Amor!
Sinto muito pelo desfecho triste que houve com o caso da moça de Santo André... dos desfechos trágicos que acontecem todos os dias, com os que ainda ousam nomear, dar predicados errôneos a sentimentos tão sublimes. Que a alma da que se foi possa se tornar leve... bem leve. Que o corpo da que fica, possa ser confortado. Mas já é sabido que esta tem uma alma do tamanho do mundo. Soube mais que predicar... soube viver o que chamamos de Amizade. E que ao que quis seqüestrar almas e corações... que a Justiça Divina se encarregue de cuidá-lo para que possa ser alguém melhor. Sinceramente, Drielly Neres. Outubro/2008.

6 comentários:

Anderson Meireles disse...

Muitas das nossas definições estão demasiadamente erradas.
O que entendemos por amizade, amor, altruísmo passa longe de mais da realidade.
Muito bom ler você falando de amor.
Conforta, renova...
Abraço!

ANA DINIZ disse...

É, Dry.

Só peço misericórdia ao espírito da pobre moça para que não se revolte - não é fácil morrer aos 15 anos de idade, e da forma com ela morreu. Desejo que ela aceite a condição que lhe foi colocada e que se liberte deste cárcere espiritual rápido.

Ao rapaz, oro para que acorde, para que não prejudique mais gente, para que não atrase mais a própria evolução e não mais represente uma instância carmática na vida dos outros.

Eu fiquei muito deprimida com esta história - todos ficamos.

Ora por eles.

Beijos.
Não some!
(Crônicas - novo episódio)

Ana

*** Cris *** disse...

É, Dry

O amor não deveria ser "motivo" de tregédias, ou melhor, isso não é amor, é doença.Um dia um sorriso ,no outro um ultimo suspiro e o que era luz vira pó.

Um abraço!

Gerlane disse...

Concordo contigo, Dry!

Algumas pessoas usam equivocadamente a definição de amor para um sentimento totalmente contrário a ele. Um sentimento doentio, destrutivo, egoísta e cruel.
Quando se ama realmente, aceita-se até a dor de ver a quem desejamos ao lado de outra pessoa, contanto que ela esteja bem. É difícil reagir assim? Com certeza que sim! Mas o amor, como já disse o apóstolo S.Paulo: tudo pode, tudo suporta, tudo crê...

*Mais um perfeito texto, querida!

*Beijos te deixo!

ANA DINIZ disse...

POR FAVOR,

venha ao mesmo post, leia, ao final.

Obrigada.

Poeta Mauro Rocha disse...

Dry, amor é querer o bem, é querer crescer, é saber que os sentimentos não estão perdidos e sim a cada dia renovados e no caso desse rapaz "Nem era amor aquilo tudo que se sentia"(Drummond).Seu texto está muito bom e você escreve muito bem.

Um abraço!!