segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Dos caminhos, dos versos soltos, dos posts duplos
Dry Neres




Oh minha terra de sabores
Oh poetas de almas longas
Quantas vidas de vagas leves
Nos lugares por onde aviltas


Teus sussurros, gargantas roxas
Meus poemas são livros teus
Meus Drummonds que nas noites lentas
Me aparecem como o teu adeus

Dissabores, meu terno abraço
A poesia este eterno laço
A palavra que envolve, bebe

Oh terra minha, esse vento reza
O abafado som que faz os olhos teus
De tudo que levo, a saudade é a mala...
mola, matriz, canto inspirador...
Sorriso teu.




O sorriso dela, verborragia

Nada prosaico
Muito predicativo
Pouco poeticossintetizador
Exacerbadamente verborrágico
Demasiado a devanear

Uma janela, um caminho
Psiu! Ninguém pode escutar
Um passo, um grito
Ahh!! O medo me invadiu
Preciso ficar

Nada prefixal
Muitos paradoxos
Pouco silêncio
Exacerbadamente dramático
Demasiado fingidor

O meu andar, meus caros
É cheio de mácula
O meu sorriso, amigos
É cheio de dor

10 comentários:

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Dry querida
Quanta coisa linda na minha ausência... forçada, juro!
Me encontrei, literalmente, nos Sem texto, no rosto triste do palhaço do amor que não foi e, ainda mais, no sorriso de dor.
Estou voltando aos pouquinhos... a mão ainda a doer... muito exercício para os dedos voltarema ter agilidade e não doerem (coisinha meio difícil devido à vaIDADE - rs) Ainda não consigo digitar por muito tempo, daí tenho que restringir as visitas.
Obrigada pela presença constante, pelas palavras carinhosas, por tudo.
Você é muito importante no meu espaço!
Um grande beijo e boa semana

Anderson Meireles disse...

Adorei!! Post duplo é muito bom...como tudo o que vc escreve, menina...
Abraço!

Poemar disse...

Dry e a sua versatilidade poética, a sua inquieta busca das formas e da poesia pela poesia, epla expressão viceral.

* Beijos, querida!

Poeta Mauro Rocha disse...

Que poema lindo!!! Drummoniano em sua excelência.Belo mesmo.

Paradoxos disse...

Quanto fascínio meu pensamento!!

leio as tuas palavras ao vivo e mesmo quando os olhos se afastam elas permanecem em vida cá dentro!!

5 estrelas!!

infinitas...


teu paradoxo

Paradoxos disse...

és trela!!

sim - és uma estrela...

:-)

ANA DINIZ disse...

Senti o espírito de Manuel Bandeira a passear por entre os primeiros versos... O poeta e eu... Posso dizer que gostamos.

Beijos.

Ana

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

Um sorriso traduzindo a dor...sem dúvida, quem não teve que assim sorrir?
Dry, querida! Foste muito generosa comigo, senti-me uma Marina Colassanti, rssss.

Drummond se orgulha de ti!Bjsss

pensador made in vaso disse...

vc consegue ser mais dramátioca que eu...pobre de mim, um poeta de bar.
abraços libertários

*** Cris *** disse...

Olá anjinho!
É sempre muito bom vir aqui, bjs!