quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Silêncio
Dry Neres



FALA, GRITA, ANDA, CORRE, FALA, ANDA, CORRE, GRITA... FALA!

SilênciO!!!

Emudeço diante da lonjura de alcance em que teus pensamentos se afastam dos meus. O amor me rouba as falas ensaiadas, as músicas previstas, me rouba a sanidade, a coerência e a verdade. O amor é o carro-chefe da vida humana... mas alguns ainda insistem em fazer dele tapete para se deitar, insistem em fazer dele local de repouso certo, Porto fixo e imutável. Ele não se prende. Ele quer correr, andar, brincar e gritar em silêncio. Ele não precisa de voz externa. Ele fala através do corpo onde é templo. O amor gosta de cheirar rosas e beber água em nascentes. Ele é inventado. Uma pintura! Um oásis, ilusão. O amor nos rouba as chaves do carro e também as do coração. Eu confesso ser desconhecedora de tal dádiva. Toda vez em que eu me arrisco a tocá-lo ele foge em seu cavalo dourado com armaduras transparentes. Mas não... eu não aprendo nunca! Preciso deixar ele vir falar comigo, preciso fazer com que ele sinta minha falta... eu não preciso fazer nada! Ele viaja, viaja... o mundo é realmente encantador! Como pudera eu acreditar que ele acampasse comigo? Eu sinto o cheiro de romance nele. Mas tudo o que posso oferecer agora é uma comédia com ares desencantados. Eu vou subir... essa montanha. Vejo um príncipe e vejo princesas, sapos e orquestras. Vejo luz e vejo nada. Vejo você caminhando na ponte, mas minhas pernas se entrelaçaram nos arbustos de uma pedra pesada, que eu mesma criei. Você tá indo... olha pra trás e sorri às vezes. Eu sinto seu perfume e seus jeitos em roupagens que não existem. Você flutua e alça vôos para uma nova viagem. Não sei se volta, se parte, se fala... em silêncio! Ah, o amor... é tirano e divino. É eterno e efêmero. É silêncio e grito! Mas eu...

Emudeço e fico sentada na eterna calçada esperando que algum turista deseje fazer excursão no meu mundo ímpar e de um colorido nebuloso.

8 comentários:

Anderson Meireles disse...

Essa calçada...

Sempre gostei desse paradoxo que existe entre o grito e o silêncio.
Acho que conseguirei ser ouvido quando minhas palavras, no silêncio forem entendidas.
Como sempre você me faz parar e pensar.
Entre o fascínio e o pensamento,
um abraço!

Poeta Mauro Rocha disse...

"Colorido nubuloso" interessante isso, poque eu penso,será nebuloso por causa desse arco-íris em preto e branco que ás vezes o mundo traz ou será colorido por causa dos teus olhos que procura sempre a beleza nos momentos reais?

Um ótimo texto!!

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

um colorido ìmpar, isso sim!

Camila disse...

O grito e o silêncio.....

O seu Efémero colorido nebuloso!

Tudo muito encantador pra mim...

Confesso que estava morrendo de saudades de "te ler" ^^


Beijo dona Dry ^^

Poeta Mauro Rocha disse...

Gostaria de dizer que fico muito feliz por todos que comentam ou já comentaram ou até os que tiveram a intenção de comentar meus poemas, e de dizer que o poema "Veste" é o último aqui apresentado, pois como no poema, estou precisando vestir minha alma, admiro a todos que estão nos meus favoritos, pois são pessoas que fazem um trabalho bacana, bonito e gostam de coisas boas, pessoas especiais pelo simples existir.Quero pedir desculpas se em algum momento fui rude ou desrespeitoso.Quero que todos saibam que aprendo e aprendi muito com o que todos fazem e tenho ainda muito a aprender.Saio de cena hoje, para quem sabe voltar amanhã.Muito obrigado, obrigado de coração!!

Poeta Mauro Rocha

Eu caçador de mim disse...

Suas palavras me penetram...no silêncio de um grito...eu continuo te lendo, te vendo...aqui...das águas e dos continentes que insisto em visitar, explorar, conhecer, povoar...tenho medo de chegar do porto...sou covarde, tenho medo das águas...sou covarde...tenho medo de ter medo...acabo fazendo das minhas viagens...lugar nenhum do meu corpo...

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Oi querida
A gripe me pegou de jeito... Por isso andei sumida, Mas estou voltando...
beijos (de longe, sei lá se o vírus ainda está aqui)

mundo azul disse...

...muito bonito e reflexivo!


Beijos de luz...