sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Verbo de ligação
Dry Neres



Eu estou inventando um dicionário próprio pro teu modo de agir; com seus 'verbos-sujeitos' que a gente criou... Uma espécie de ligação multidimensional, eu sei que é! Mas eu sei também que só eu sinto assim.
Deixarei então de ler teu horóscopo diariamente pra tentar adivinhar seu humor. Deixarei de esperar o telefone tocar e ouvir tua voz tão doce ao me dizer 'Ooooi'. Não vou mais pedir desculpas pelos meus atos desesperados... Afinal, são só atos desesperados! Minhas unhas não usarão mais o esmalte que define teu humor instável. Meus anéis deixarão de lembrar tua ausência em mim. Nossas fotos deixarão de passear comigo, nos meus olhos, na minha agenda.
Existe regra que separa os verbos de ligação... Na minha gramática deixo de tentar achar respostas para esse desenlace precoce. Nas minhas literaturas deixarei de procurar em Camões, Clarice, Rilke as explicações para os seus olhos desiguais.
Deixarei de ter você nos meus sonhos de olhos abertos e expulsarei sua figura dos meus sonhos noturnos. Moverei a esfera do meu pensamento pra te arrancar das minhas camisas, dos meus abraços. Esquecer-me-ei da dança dos nossos corpos, oh minha Capitu, minha Annabelle! Gostaria se me permitir, de violar a lembrança dos nossos risos. Estes sim, preciso ter comigo. Sim, aqueles sim... Que me causavam até dor física no canto dos lábios. Quantos risos foram... Não cabem numa bolsa de viagem! Não permitirei que tuas mãos me invadam as extremidades do corpo sensível, nem em pensamento, nem em desejo de morar. Deixarei apenas que tuas mãos repousem nas minhas, por mais alguns segundos, para se desgrudarem por longos espaços de tempo sem tanta saudade.
Desculpa mas não posso mais ser figurante. Quero que nesse palco, ao menos nesse palco, que somos obrigados a encenar, eu possa mais que tocar o amor... Que eu possa vê-lo se enraizar em outrem da mesma forma que se enclausure em mim.
Deixarei de achar graça e ver beleza nos seus defeitos. Meus olhos terão a cor da razão. Meus olhos deixarão de serem verbos de ligação de você pra mim. Ser, estar, ficar, deixarão de existir. Agora você, sujeito. Agora, eu predicado. Sem junção. Que fique bem claro. Que seja escrito. Eu preciso de uma locução, um vocativo, um verbo regular talvez que não sofra alteração em seu radical, em seu humor, em suas vontades.
Não quero te ligar. Um Stop para os verbos de ligações mal recebidas, às vezes, nem atendidas. Me faço verbo impessoal... Isso... No sentido de existir! ...e anoiteço. É quase um estado de luto.

5 comentários:

ANA DINIZ disse...

Estados de espírito, humores, rumores do coração, almas e seres...

Verbos de ligação "ser, estar, andar, permanecer..." Vc é um espetáculo! Ver além é algo sublime. Construir é demais. Vc merece um palácio de Luz! Isto é, a felicidade. Algo encantador, tal como vc e a sua vivência que convergem para novas obras de arte!

Beijos, minha linda!

Paz e vida!

Ana

Anderson Meireles disse...

Mesmo que haja dor, é bom às vezes desligar os verbos...
Texto de decisão e coragem,
lindo,
como você é!
Abraço!

Babes disse...

Deixar ir...
Lentamente, como quando a noite cai...

Difícil!!! Sei-o!!!


Um beijo

Poeta Mauro Rocha disse...

E...liga verbos para dizer e andar e escrever e ser você num puro fascínio do pensamento que fascina seus leitores deixando eles mais ligados e na expectativa das próximas linhas....

Belo texto.

Kiss!!

Poeta Mauro Rocha disse...

E...liga verbos para dizer e andar e escrever e ser você num puro fascínio do pensamento que fascina seus leitores deixando eles mais ligados e na expectativa das próximas linhas....

Belo texto.

Kiss!!