segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Não é pra entender
Draconiana
Dry Neres


.


Dá de dizer, dos dias, da decadência dúbia,
da delicadeza delgada. Dificuldade de dialogar das demagogias demasiadas das densas
derrapagens
dos desabotinados. Digo dos desafinados, dos desapaixonados.
Desato, desbalanceada
do descorassensangüe
do descrente descortinado. Descontrolavelmente digo
desembestada. Desencarcero
doses
do
desenlace desenhado diáfano. Desaquendo. Dialogo. Desintegro.
Dezesseis,
dezessete,
dezoito,
dezenove.
Draconiano, diametralmente.
Diplomaticamente
decorado dos de Dionísio, desses
dionisíacos.
de dizer
do discurso ditongal,
do discurso desconexo.
Diurnamente, deito. Docemente, deixo. Dois de dados, dela.
De
Djibuti,
Dominica,
Dinamarca.
Doutrino-me.
Drapejo.
Draconianamente, dramatizo.
Doze.
Dúctil, devia.
Dá de dizer dos dracons.
Dói. Dilacera. Desculpe. Deixa dormir, Deus!

8 comentários:

Fionna disse...

Oo Um texto todo com palavras escritas com letra "d". Deve ter dado um trabalho escolher.. Ou não! Afinal, vc é intima delas =] hehe
Adorei a imagem.. e das palavras que tem no texto, vou ter que buscar algumas no dicionário.

BjoS!

Anderson Meireles disse...

Gostoso de ler. Bom de ler em voz alta. Isso dá samba, sabia?
Sei que estou em débito, mas vou ver se coloco um sambinha nesse texto. Posso?
Abraço!

Poeta Mauro Rocha disse...

"D" Depois de ler descobri que demais, de repente entrei na minha mente e decodifiquei teus olhos...semente.

Beijos!!!

ParadoXos disse...

nunca vi nada igual!!!!
estou... estou completamente espantado coma tua capacidade!!!
isso é que é dar e fazer reviver a linguagem!!!
estou... nem sei.... ADOREI a novidade pois.... é preciso saber inovar e tua mostraste!!!


beijao D"d"eliciado.

*** Cris *** disse...

Olá,td bem?
É sempre muito bom vir aqui, gosto de te ler,moça!
Tem presentinho pra vc lá no meu blog,tá?
Bjs!

*** Cris *** disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo Fernando disse...

Se tiver alguma mensagem subliminar, ferrou! Devo ter sido hipnotizado pelo branco e vermelho do seu texto-poesia. Não entendi muito e, curiosamente, entendi quase tudo. Loucurs? Talvez. Agora vejo as sombras das suaS LETRAS para qualquer lugar que olhe.

bjos, minha querida

Cristiana Fonseca disse...

Texto fabuloso, travou a lingua e abriu a mente.
Beijos,
Cris