sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Quase música
Dry Neres




Aquelas ondas, sim aquelas ondas batiam, volviam, assim... Bem perto de mim.
Nos meus pés, em minha face, arquétipos voláteis. Eu que desacreditada estava em encontrar quentura para meu frio interno... Fui surpreendida pelo destino que te trouxe pra mim.
Falo de um mar que já se aquietou. Que se mostrou maduro e sorridente. Que se apresentou pra mim, em forma de amor puro, assim, singelo. De uma infantilidade tão madura que ainda custo a acreditar. É como se os poetas me emprestassem todas as suas falas acerca do tal caminho vermelho-calmo, vermelho-amor. Eu sou viajante, bailarina, sou atriz principal nesse palco onde as palavras formam livros de metáforas que você tanto gosta. Gosto da forma como meu corpo se faz cobertor seu, nas noites em que a lua brinca conosco; nas noites em que o dia é visto pela janela sem que os olhos experimentassem o ato de dormir. Sim, porque nossos corpos A-Dormecem acordados. Entre histórias de príncipes, princesas... Fico com a nossa! A nossa história entre letras pares de um alfabeto que poderia muito bem ter dois Ds sem que um tirasse o brilho do outro. Você faz dos meus dias, doces canções. Você torna meus sonhos a mais bela realidade. Nossos corpos se chamam, se apelidam, se imploram. Nossos nomes, são quase música. Fotografoescrevo todas as imagens tuas aqui em minhas mãos, desenho-te em meus pensamentos,descrevo-te nos painéis que crio acerca do céu. Nuvens são os beijos teus. Corro atrás dos guizos sorridentes teus como pássaro faminto em ninho do tão conhecido e já citado, vermelho-calmo, vermelho-amor. Porque Deus te deu pra mim? Adoro tuas indagações. Adoro te responder. Foi porque ele te deu pra mim também, e haveria de ter reciprocidade. Adoro filmar teu jeito tão doce de caminhar. Amo o timbre da voz que sai do teu canal responsável pela fala. Me encanto com nossa forma ímpar de nos parecermos, de nos completarmos, de nos encantarmos... E deixar que a paixão cresça a cada olhar, a cada ato de respirar ofegante, em toques sublimados, em mãos que buscam conhecer almas, na dança dos corpos que se e-namoram, na constituição do tudo do que somos.


Meu coração é teu lugar primeiro.
Teu coração é meu sorriso certo.

2 comentários:

Anderson Meireles disse...

Poetas emprestam a poetas que emprestam...
Um abraço!

paradoXos disse...

"É como se os poetas me emprestassem todas as suas falas acerca do tal caminho vermelho-calmo, vermelho-amor"

Nóbel em profundidade!!

"Amo o timbre da voz que sai do teu canal responsável pela fala"

Nóbel em beleza e interioridade!


uma palavra: FASCINANTE!!