quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Por estes olhos que a Terra há de comer
Dry Neres




Está pré-anunciado o grande banquete. O grande dia em que a terra há de comer os olhos que levianamente deixaram de olhar por ela.
Eu queria ter a voz estrondosa das marés... O direito ao grito!
Estamos caminhando a lugar nenhum, fazendo coisa nenhuma por nós mesmos. O conceito de humanidade se perdeu.
Os conceitos...
São rarefeitos como o ar que tem nos invadido. A natureza ganha vida. Manifesta-se e reivindica seus direitos há tempos imemoriais já esquecidos.
O que há de ser feito quando a larva feroz dos vulcões e o vento arrebatador dos tsunamis alcançarem suas portas?

3 comentários:

*** Cris *** disse...

Feliz ano novo!
Que possamos cuidar melhor de nosso mundo.
Bjs!

Fionna ^^. disse...

Mo Deos \o/ Bate lo desespero! rss
Bom texto, amiga. Sabe que poderiam inventar um manifesto poético universal sobre essas coisas.. Acho que faço minha parte, e mesmo assim meus olhos serão devorados. E todo o resto. Chega de doidera.
Vim rápido aqui, nossos blogs voltaram! Mais um motivo para brindar.. ou pelo menos um motivo para brindar. Te desejo para o novo ano todos os adjetivos bons que a dezena dele te faça lembrar.
TeAdoro! s2!

Poeta Mauro Rocha disse...

Ola!! Feliz 2010 e pelo que vejo para você começou fervendo nas palavras..Bjs!