quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

365 x 3
Dry Neres




Um frio na barriga me toma os olhos. A boca trêmula me toma o estômago. Revivo hoje a primavera de três anos que se passaram. Revivo hoje o que compartilhamos a cada dia. Revivo, você. Aquele beijo, você se lembra, de intermináveis sessenta segundos transformou o meu universo particular em uma crescente atmosfera de fé. Eu passei a crer no ser humano. Eu passei a ver beleza no mar. Eu passei pra tua vida.

Os meus versos já te elevaram ao altar do mais sublime amor e agora, que eu deveria saber o que escrever... Não consigo!

A paixão me faz tremer os órgãos. A paixão me faz querer você por mais 365 vezes um milhão elevado a todas as incontáveis gotas dos orvalhos de todos os dezembros. 

Todos os dezembros me lembram você. Tudo ao meu redor é um espelho que reflete a divindade do nosso amor. O teu/nosso quarto, as nossas fotografias, o nosso perfume. Todos os meses são dezembros, depois que você chegou.
É interminável a doçura dos teus olhos. E é neles que eu sempre me perco. E é deles que eu sempre falo e não me canso, nem calo, porque só por eles morro de amor. 

Escuta os batimentos do meu aparelho de amar...
EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO EU TE AMO

2 comentários:

Forever Dieguita disse...

Olá, estou seguindo o seu blog.
Adorei e sempre que puder, eu volto aqui para comentar.
Se puder, passa lá no meu e segue :)
beijos

http://foreverdieguita.blogspot.com/

ParadoXos disse...

Poesia em estado amoroso!
tens um grande aparelho de amar, gostei dessa, estimada Neres!

abraço


Hedukiesse